boletim

o meio é a massagem

Terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima

Os grandes arrozeiros do agronegócio, invasores da terra indígena
Raposa Serra do Sol, em Roraima, estão anunciando que buscaram “apoio” de
ex-militares da venezuela, certamente tambem envolvidos no golpe de 11 de
abril de 2002, para suas “ações de resistência” contra a Operação Upatakon
3, da Polícia Federal, que visa a retirada dos invasores daquela terra
indígena.

Afirmam-se em declarações na midia como “representantes maiores do
agronegócio, traídos pelo governo Lula”. Afirmam também que estão tendo
“treinamento para a resistência” com esses ex-militares venezuelanos.

Esses “fazendeiros” não passam de fascistas, golpistas,
sequestradores de indígenas e missionários, assassinos de indígenas.
Em 2005, organizaram um grupo de jagunços no mesmo estilo do CCC, que atacou
uma escola catolica, dentro da area indigena, da Missão Consolata, em
parceria com o CIR, de formação técnica para indígfenas.

O bando armado e encapuzado espancou alunos e professores, destruiu
computadores, destruiu o prédio, pôs fogo em carros, destruiu pontes. Um
emissario do governo federal, veio de Brasilia para inspecionar o local, e
foi impedido de ir na escola, pelo mesmo grupo armado, e tal era a força
belica deles, que os 20 policiais federais que acompanhavam o emissário
Cesar Alvarez, nao se atreveram a entrar, por falta de segurança.

Eles têm indígenas da Guiana e Venezuela trabalhando nas suas
fazendas , em situação de escravidão e impedidos que cobrar qualquer
direito, pois são considerados estrangeiros.

Esses “fazendeiros” estão aliciando o lumpesinato de Boa Vista,
prometendo bom pagamento, para fazer ações violentas no interior e na
capital e ganhar as manchetes do Jornal Nacional e dos grandes jornais do
centro do país,querem criar uma situação de “distúrbio social’ e ganhar
votos para suas ações, para suspensão da operação da PF, que correm no STF.

*Paulo Cesar Quartiero*, seu maior líder, é um fascista assumido e
era ligado e ajudante de Moisés Lipnick, deputado federal por Roraima já
morto, que saiu de São Paulo e foi para Roraima e lá criou a Rádio
Equatorial, de extrema-direita.

Moisés Lipnick foi do CCC, Comando de Caça aos Comunistas e um dos
que criou o “Caso Lubeca”, com o Ronaldo Caiado, em 1989, na eleição
presidencial.

Ou seja, a turma de fazendeiros- arrozeiros de Roraima são na
verdade un nucleo de reorganização da extrema-direita, que se instalou
naquele territorio indigena, distante, na fronteira, usando uma fachada de
“nacionalistas”, e muito violentos.

*Notícia divulgada pela secretaria geral do MST.*

Anúncios

No comments yet»

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: